segunda-feira, 30 de junho de 2014

Cuidado, oh cuidado!

Cuidado, oh cuidado!
      De que maldito arquivo
      tais falas fazem ser?
      Por que não me deixam no alívio
      aquelas cenas esquecer
      para que servem essas visitas
      e aquelas tristes vistas
      as sedas que vestem o corpo
      morto, e as ressecadas toalhas
      os castiçais tão deveras
      os mortos rostos rever
      oh vozes que ouvi no passado
    

Nenhum comentário:

Postar um comentário